Blog

O ‘Clube de Investimento Venture Builder’

Temos o prazer de anunciar a criação de uma nova iniciativa pela The Venture Builder: o ‘Clube de Investimento Venture Builder’. O nosso clube é dedicado a fomentar o crescimento de startups em Portugal, proporcionando-lhes os investimentos necessários, mentoria estratégica e apoio ao longo de toda a sua jornada. Os nossos objetivos são: Se deseja…
Read more

Call WIT – Portugal Ventures

Tens um projeto de base tecnológica, com um alto potencial de crescimento e valorização, que se encontra na vanguarda da inovação Web3 em Turismo e Hotelaria? Tens empresa constituída com sede ou com atividade operacional significativa em Portugal? Tens um MVP? Estás em fase Pre-seed /Seed/Series A?  Se respondeste que sim a todas as questões,…
Read more

Como fazer comércio internacional?

“O mercado internacional pode ser mais rentável, paga melhor pelos produtos com valor acrescentado e oferece muitas mais opções de crescimento porque não se depende de poucos clientes”. Flavia Santoro, diretora da Procolombia. Num mundo cada vez mais globalizado, a expansão para mercados internacionais tornou-se uma estratégia vital para empresas de todos os tamanhos na…
Read more

Por que é que a tua empresa devia estar a construir startups?

Pedro Waengertner, o fundador da ACE, faz uma provocação intrigante: “Mata o teu próprio negócio”. Pode parecer contraditório à primeira vista, mas a essência deste pensamento é crucial. O teu negócio pode estar próspero hoje, mas e amanhã? A Netflix é um exemplo emblemático: percebeu que o seu modelo estava destinado a tornar-se obsoleto e…
Read more

Sustentabilidade e Economia Circular

A economia circular é um conceito estratégico que surge no conjunto de medidas de incentivo à mudança de paradigma económico – de um sistema linear de produção e consumo, assente na erosão do capital natural, para um sistema restaurador e regenerativo, procurando preservar a utilidade e valor dos recursos (materiais, energéticos) pelo máximo tempo possível, salvaguardando os ecossistemas e o capital financeiro das empresas e da sociedade civil.

A transição para uma economia circular assenta no incentivo e desenvolvimento de modelos de negócio, estratégias colaborativas, produtos e serviços centrados no uso eficiente de recursos e novas dinâmicas de inovação. Os benefícios que podem ser alcançados são múltiplos, desde o potencial de redução da dependência do país em termos de importação de matérias-primas até ao contributo direto para objetivos ambientais internacionais (por exemplo, ODS da ONU). Mas, sobretudo, trata-se de melhorar a competitividade da economia portuguesa, gerando iniciativas com forte potencial de exportação e impacto local.

O Plano de Ação para a Economia Circular da Comissão Europeia (Pacote “Economia Circular”), aprovado em dezembro de 2015, contempla cerca de 50 propostas ou intenções de medidas legislativas, distribuídas por cinco áreas principais de atuação: produção, consumo, gestão de resíduos, mercado de matérias-primas secundárias e inovação e investimento. Contempla igualmente cinco setores prioritários de intervenção: os plásticos, os desperdícios alimentares, as matérias-primas críticas, a construção e demolição, a biomassa, as matérias de base biológica e as designadas medidas horizontais em domínios como a inovação e o investimento, que têm por objetivo contribuir para estimular a transição para uma economia circular.

Neste contexto, as autoridades portuguesas assumiram o objetivo político de atingir a neutralidade carbónica em 2050, confirmando o posicionamento de Portugal entre aqueles que assumem a liderança no combate às alterações climáticas. Foi desenvolvido o Roteiro de Neutralidade Carbónica 2050 (RNC2050) que indica o caminho que a economia portuguesa terá de percorrer para atingir esse objetivo. A economia circular está presente de modo transversal no RNC2050, em ligação ao Plano de Ação para a Economia Circular (PAEC), que foi desenvolvido para o período 2020-2030, e irá ter novas interações de acordo com a evolução já observada neste domínio, como seja no caso dos plásticos de uso único, ou o ecodesign de produtos. Este modelo depende do desenvolvimento de estratégias – tecnológicas, de produto, de serviço, de uso ou consumo – que induzam a reutilização contínua de materiais e recursos no seu potencial produtivo máximo (máximo valor financeiro e utilidade, pelo maior tempo possível), em ciclos devidamente energizados por fontes renováveis.

Acelerar esta transição na Europa até 2030 terá um impacto positivo de 1,8 biliões de euros, de 1 a 3 milhões de empregos e uma redução de 2 a 4% do total anual de emissões de GEE. Em Portugal, implementar esta tipologia de medidas pode conduzir a uma redução de cerca de 30% nas necessidades de matérias-primas, gerando um impacto positivo no VAB estimado em 3,3 mil milhões de euros.

O setor têxtil apresenta-se como um dos mais poluentes, sendo responsável por cerca de 10% das emissões globais de gases com efeito de estufa. A produção de vestuário e outros materiais têxteis requerem grandes quantidades de água, energia e recursos naturais, e geram uma grande quantidade de resíduos. Cerca de 30% da produção têxtil total é ainda desperdiçada, sobretudo devido à produção defeituosa.

Neste cenário, com a combinação de abordagens sustentáveis e matérias-primas inovadoras, as Tecnologias de Informação e Comunicação apresentam um grande potencial relativamente ao desenvolvimento de soluções que visam melhorar a eficiência energética, reduzir o desperdício e promover a sustentabilidade no setor têxtil.

O setor têxtil é assim um dos setores mais inovadores da economia portuguesa. Foram atribuídos prémios de Inovação no Techtextil, um dos maiores eventos mundiais da indústria têxtil, que ocorre anualmente na Alemanha.

CURIOSIDADE: Sabia que o nadador mais medalhado de sempre nos Jogos Olímpicos – Michael Phelps – utilizava um fato de banho feito e patenteado por uma empresa portuguesa?

A The Venture Builder identificou Oportunidades a Fundo Perdido para projetos de Sustentabilidade e Economia Circular. Não perca esta grande oportunidade de fazer a tua validação de mercado com Empresas Portuguesas da Cadeia de Valor Têxtil, um dos setores mais inovadores da Indústria Portuguesa no dia DATA, dia 9 de Maio de 2024, pelas 15h de Portugal. Vagas Limitadas!

Revogação do Regime Residente Não Habitual

Apesar da demissão do governo, o Orçamento do Estado para 2024 foi aprovado e veio revogar o regime  RESIDENTE NÃO HABITUAL (RNH),  que se encontrava em vigor, já a partir de 1 de janeiro de 2024.  Já não tem muito tempo, mas ainda tem a possibilidade de vir a beneficiar de um dos regimes mais…
Read more

Fiscalidade 2024 – Impacto para as Startups em Portugal

Apesar da demissão do governo, o Orçamento do Estado para 2024 foi aprovado e o Governo permanecerá em funções até às eleições legislativas e respetiva tomada de posse de um novo Governo.  Descubra, no Workshop Fiscalidade 2024, de dia 19.12, as principais alterações que vão afectar as startups sediadas em Portugal para o próximo ano. …
Read more

BPF – Linhas de Investimento

A atuação do Banco Português de Fomento (BPF) centra-se em apoiar o desenvolvimento económico e social de Portugal, através da criação e disponibilização de soluções inovadoras, competitivas e adequadas às necessidades e desafios do ecossistema empresarial, potenciando a capacidade empreendedora, o investimento e a criação de emprego, e promovendo a sustentabilidade e a coesão económica,…
Read more

Porquê o Mercado Europeu?

Com uma população de mais de 500 milhões de pessoas, a União Europeia (UE), de acordo com os dados publicados em 2021, registou um PIB de 14522 mil milhões de euros,  atingindo o maior PIB per capita do mundo com 40.984 Euros, suplantando  mesmo os Estados Unidos.  O mercado unico europeu oferece inúmeras oportunidades para…
Read more

Portugal como porta de entrada para a Europa

Nos últimos anos, Portugal emergiu como uma estrela em ascensão entre os países europeus, atraindo a atenção não apenas de startups, mas também de investidores em busca de novos horizontes. O governo português, reconhecendo a necessidade de capital local, tem buscado ativamente o investimento estrangeiro como fonte de inovação, crescimento de renda e oportunidades de…
Read more